//
arquivos

Arquivo para

NOTA COLETIVA DE ASSOCIAÇÕES, COLETIVOS E ENTIDADES DO RECIFE SOBRE O PROJETO NOVO RECIFE

Faixa colocada no último #OcupeEstelita com entidades e movimentos do Coque que apoiam a luta contra o Projeto Novo Recife

Faixa colocada no último #OcupeEstelita com entidades e movimentos do Coque que apoiam a luta contra o Projeto Novo Recife

NOTA COLETIVA DE ASSOCIAÇÕES, COLETIVOS E ENTIDADES DO RECIFE SOBRE O PROJETO NOVO RECIFE

DENUNCIA DO SEQUESTRO DA REPRESENTAÇÃO DO POVO E APELO DE CORAÇÃO: NOVO RECIFE, NÃO!

Ontem saiu uma matéria no Jornal do Comércio sobre as expectativas em relação ao projeto Novo Recife: três moradores do Coque e dos Coelhos defendem o projeto e a matéria se posiciona como se estivesse falando em nome das comunidades inteiras. Além de não dar voz aos ditos “movimentos sociais” contrários ao Novo Recife, a matéria também deixa de mencionar que, entre esses movimentos, incluem-se também associações das próprias comunidades referidas.

A presença forte dos movimentos sociais das comunidades do Recife no último #OcupeEstelita, inclusive as citadas na matéria, comprova que a defesa do projeto Novo Recife não é consenso dentro delas. Existe a consciência de que empreendimentos como este, não só não os incluem, como prejudicam a eles e a toda a cidade.

Frei Aloísio, figura conhecida da Igreja progressista e das lutas do Coque, foi protestar contra o Projeto Novo Recife no #OcupeEstelita+1

Frei Aloísio, figura conhecida da Igreja progressista e das lutas do Coque, foi protestar contra o Projeto Novo Recife no #OcupeEstelita+1

Uma leitura minimamente atenta da matéria revela os argumentos questionáveis que procuram defender o projeto e sua perversidade:

1) o abandono atual da área como justificativa para aceitação de qualquer coisa que se construa ali, até 13 torres de 40 andares isoladas por muros e assentadas sobre gigantescas caixas de estacionamento;
2) a expectativa pelas vagas de emprego com os piores salários e menor qualificação, sem a menção da imensa improbabilidade de que os moradores do entorno se tornem usuários plenos do trecho de cidade que se pretende construir ali;
3) a esperança de dinamização do comércio local, sem considerar que a valorização fundiária por um modelo de cidade que preza pela exclusividade e não pela diversidade tende a expulsar e substituir não só os moradores como também o pequeno comércio e pequena indústria do entorno;
4) a confusão entre empreendedorismo e desenvolvimento.

A história nos ajuda a compreender as estratégias de captura de representação do povo: em 13/02/85 foi publicada uma matéria chamada “Moradores aprovam Shopping” que falava sobre um projeto de construção de um shopping center em terreno do Coque (reproduzida abaixo). A matéria tentava abafar a resistência no bairro que depois se mostrou tão forte a ponto de não apenas barrar a implantação do Shopping, como também efetivar a lei das Zonas Especiais de Interesse Social, que protegem o direito a moradia. Mais de 20 anos depois, acessamos essa mesma matéria para relembrar o poder público dos absurdos que estavam fazendo no Coque. Agora, os absurdos são para com a cidade como um todo. Seu centro, seu lugar de vida, poesia, memória.

Mapa no espaço da roda de diálogo entre comunidades no #OcupeEstelita+1 mostra como o Novo Recife é uma peça em um grande plano que incluía o Polo Jurídico e o Porto Novo

Mapa no espaço da roda de diálogo entre comunidades no #OcupeEstelita+1 mostra como o Novo Recife é uma peça em um grande plano que incluía o Polo Jurídico e o Porto Novo

Espanta-nos estas estratégias de sequestro de representação e a utilização de argumentos como se o morador de espaços pobres quisesse o desenvolvimento imediato e os movimentos sociais quisessem negá-lo. Longe disso: queremos que esses projetos sejam amplamente discutidos pelas instâncias comunitárias e populares.

Espanta-nos que, gestão após gestão, o poder estabelecido não seja capaz de inovar e se deixar ouvir a ampla pressão da sociedade civil para que o projeto seja revisto e as prioridades invertidas: ao invés de privilegiar o poder econômico das empreiteiras, que se privilegiem as relações humanas, os direitos à memória e à paisagem, a revitalização do centro a partir de seus próprios moradores e não por blocos de cimento em cima da memória da cidade.

Espanta-nos uma cidade onde se morre no mar, morre-se na calçada ao se passear com um cachorro, morre-se de bicicleta por não haver espaço para os ciclistas que pedalam no dia-a-dia. Morre-se de filariose e de leptospirose. Morre-se de chuva nos morros.

De que desenvolvimento estão falando?

Desejamos compartilhar essa denúncia e o prenúncio do surgimento de um pensamento de alvorada: que o nosso desejo, de multidão intensa e com muitos nomes, possa por fim a tanto desespero em nome de um progresso que não nos diz respeito.

No primeiro #OcupeEstelita, manifestantes já cobravam a preservação das ZEIS e apontavam para a ligação entre o projeto Novo Recife e as ameaças às comunidades carentes

No primeiro #OcupeEstelita, manifestantes já cobravam a preservação das ZEIS e apontavam para a ligação entre o projeto Novo Recife e as ameaças às comunidades carentes

É preciso perguntar ao recifense o que ele deseja daquele lugar. Será que a maioria responderia que são torres imensas, que agridem a paisagem com uma altura incompatível com a história e a memória do bairro de São José? Como bem definiu a arquiteta paisagista e professora Lúcia Veras:

Paisagem é identidade de um povo, porque é produto de uma relação necessária que o homem estabelece com a natureza para se consolidar e construir o seu território. Quando se destrói uma paisagem, perde-se de forma irreversível parte desta identidade, da memória e dos valores que se manifestam naquilo que é visível e que o olhar apalpa, mais ainda, aquilo que revela as especificidades dos lugares, das cidades, da sua história e das formas de se viver e de se interagir. Sendo produto coletivo, a paisagem é um direito de todos. Todos têm o direito à paisagem! […] O projeto Novo Recife destrói a paisagem do Velho Recife. […] O histórico bairro de São José do Recife, mais ainda, guarda o ‘espírito do nosso lugar’, conservando na linha de horizonte um panorama citadino onde, mesmo entre tempos distintos da Paisagem, é mantido o perfil horizontal que foi captado nas gravuras do século XVII de Franz Post. Entre dois terços de céu e um terço de água, a Mauritiopolis pintada por Post ainda pode ser identificada no Recife que se chega pelas águas. Esta é a última paisagem do Recife que, genuinamente, ainda guarda este patrimônio paisagístico.

Sob o apelo do “progresso” iremos continuar a destruir a nossa memória, a nossa história, o nosso passado, os nossos recursos naturais? Já não basta o horror e a violência que estão fazendo com as nossas águas e com um dos maiores manguezais urbanos do país, com a construção da Via Mangue?

Prefeito, o senhor quer ficar na história como o prefeito que transformou essa cidade em uma Selva de Pedra, construindo por cima dos nossos mangues, das nossas águas e da nossa paisagem?

Basta desse modelo de desenvolvimento depredador que dilapida o patrimônio cultural, ambiental e viola os direitos adquiridos de moradores que construíram suas existências nesses espaços. Não vamos nos contentar com essas migalhas apelidadas de progresso. Com esse modelo, o Recife está na contramão da história, não honrando a tradição do bom urbanismo, da boa arquitetura e da boa engenharia, que tantos mestres que já partiram defendiam e que ficariam horrorizados com o processo destrutivo de cidade que vem ocorrendo.

O Recife merece mais e melhor. E seus moradores também.

——————-

Assinam a nota:

Ação Darmata / Alunos das Graduações e Pós-Graduações de Comunicação Social, Geografia, Sociologia, Educação e Desenvolvimento Urbano da UFPE / Associação Esperança do Coque / AVIPA – Associação dos Moradores da Vila do Papelão (Casinha) / Banda Palafita (Afogados) / Biblioteca Comunitária Amigos da Leitura (Alto José Bonifácio) / Biblioteca Popular do Coque / Centro de Cultura Luis Freire (CCLF)/ Centro de Estudos Budistas Bodisatva de Pernambuco – CEBB / Centro Dom Helder Camara de Estudos e Ação Social – Cendhec / Centro Popular de Direitos Humanos – CPDH / Cine Coque / Coletivo de Luta Comunitária – CLC / Coletivo Desclassificados (Coque) / Comitê Popular da Copa PE / Copa Favela 2014 / Coquearte (Coque) / Espaço Rosa dos Ventos / FERU – Fórum Estadual da Reforma Urbana / Habitat para a humanidade/ Igreja de São Francisco de Assis do Coque / Movimento Arrebentando Barreiras Invisíveis – MABI (Coque) / Movimento de Direitos Urbanos / Núcleo de Assessoria Jurídica Popular (Najup) / NEIMFA – Núcleo Educacional Irmãos Menores de Francisco de Assis (Coque) / Núcleo de Comunicação Caranguejo Uçá (Ilha de Deus) / Ponto de Cultura Espaço Livre do Coque / Pré-Vestibular Paideia (Coque) / Rádio Lama (Roda de Fogo) / Rede Favos – Favelas Organizadas e Solidárias (Coelhos) / Rede Coque Vive / Resistência Popular de Pernambuco

 

Tentativa de capturar algumas representações das comunidades para falar a favor de projetos de interesse do capital imobiliário já é antiga.  (via Coque Vivo)

Tentativa de capturar algumas representações das comunidades para falar a favor de projetos de interesse do capital imobiliário já é antiga. (via Coque Vivo)

Integrantes do DU denunciam governo e prefeitura por demolição ilegal na Madalena

Demolição do prédio da Assembléia de Deus, dentro do Setor de Preservação Rigorosa da Zona Especial de Proteção ao Patrimônio Histórico e Cultural nº 27. (fonte: Leia Já)

Demolição do prédio da Assembléia de Deus, dentro do Setor de Preservação Rigorosa da Zona Especial de Proteção ao Patrimônio Histórico e Cultural nº 27. (fonte: Leia Já)

No dia 11 de setembro de 2013, o Direitos Urbanos|Recife protocolou pedido de instauração de inquérito ao Ministério Público de Pernambuco a respeito das obras do túnel da rua Real da Torre, com informações sobre possíveis irregularidades  e requerendo sua apuração e a propositura de medidas judiciais cabíveis em face dos representantes do Governo do Estado de Pernambuco, da Secretaria das Cidades do Governo de Pernambuco, da Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano da Prefeitura do Recife e demais responsáveis.

Na quarta-feira, 20 de março de 2013, foi iniciada a obra com a demolição das casas da rua João Ivo da Silva. Três dos imóveis derrubados faziam parte do Setor de Preservação Rigorosa (SPR) da uma Zona Especial de Patrimônio Histórico Sobrado da Madalena (ZEPH-27), conforme previsto na Lei de Uso e Ocupação do Solo (Lei Municipal nº 16.292/97).

Situado no entorno do Sobrado da Madalena, que é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), o projeto do túnel precisou ser submetido à apreciação da Superintendência Regional do IPHAN em Recife. Entre maio de 2012 e abril de 2013, todos os pareceres reprovaram e indeferiram o projeto apresentado e elencaram as exigências do órgão para a sua aprovação.

O projeto do túnel deve apresentar uma solução estrutural e de isolamento (com indicação do responsável técnico) para evitar os efeitos nocivos de vibração produzida pelo fluxo de veículos no túnel sobre as fundações do monumento tombado. (…)

Deve ser realizada a prospecção e resgate arqueológico (antes da obra), bem como monitoramento (durante a execução), em toda a extensão do empreendimento (Túnel na Real da Torre), de acordo com a lei 3.924/61 e as Portarias 07/88 e 230/02.” (Parecer Técnico nº 15/MF/2013, de 12/04/2013).

A Lei Municipal 16.292/97, relativa a edificações e instalações, estabelece no seu artigo 269, que “(a)s obras e instalações, que dependam da anuência prévia de órgãos da esfera estadual ou federal, na forma da legislação pertinente, somente serão licenciadas pelo Município após o cumprimento, pelo interessado, das exigências estabelecidas por aqueles órgãos”. A solução das exigências feitas pelo IPHAN era condição necessária para a tramitação do projeto no âmbito municipal e portanto para a ordem de serviço pelo Governo do Estado.

Além disso, não poderia o Município ter autorizado a demolição com a finalidade de realizar obra viária, sob pena de incorrer em desvio de finalidade da lei, que o permite apenas para harmonização do sítio histórico. Se fosse o caso, seria necessária anuência da Comissão de Controle Urbanístico (CCU) e não da Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural (DPPC), situação que configura inequívoco desvio de competência. Conforme a LUOS:

A) Análise especial para cada caso a critério do órgão competente, objetivando a restauração, manutenção do imóvel e/ou sua compatibilização com a feição do conjunto integrante do sítio, sendo permitida a demolição dos imóveis cujas características não condizem com o sítio, ficando o parecer final a critério da CCU”;

Supondo ainda que houvesse parecer da CCU, teria que ser necessariamente anterior ao ato de demolição em respeito à legalidade e ao bom senso. Somente então poderia a Prefeitura, através da Secon, conceder licenças de demolição, também obviamente anteriores à destruição dos imóveis.

Ainda que a demolição fosse legal, não poderia o Poder Público alterar o parcelamento do solo naquele SPR. A obra, no entanto, extinguiu os referidos lotes com a construção de uma via de transporte motorizado em seu lugar, em clara desobediência à legislação e em detrimento do ordenamento urbano e do patrimônio cultural. Ainda segundo a LUOS:

B) Não serão permitidas modificações no parcelamento do solo, inclusive remembramento e desmembramento, podendo haver interligação entre os imóveis, desde que não interfira na volumetria dos mesmos”;

Diante da inobservância das exigências feitas pelo IPHAN e em virtude das graves violações da legislação municipal e dos princípios da moralidade e da legalidade administrativas, acima relatadas, representamos ao Ministério Público solicitando a averiguação de improbidade administrativa,  crimes ambientais e crimes contra o patrimônio cultural e o ordenamento urbano por parte dos representantes das entidades responsáveis.

———————————-

TEXTO COMPLETO DA REPRESENTAÇÃO AO MPPE

Quem ganhou o Desafio Intermodal 2013?

O primeiro voluntário a completar o percurso entre a Praça da Independência e o Shopping Recife foi Filipe Freitas, que fez o trajeto pedalando sua bicicleta roda fixa em pouco mais de 26 minutos. Já o último foi Fernando Lima, que levou uma hora e 29 minutos caminhando. Mas a organização do DIM propôs um cálculo para discutir não só a velocidade do deslocamento, como também a energia calórica empregada, a emissão de poluentes e o custo de cada veículo, com isso a ordem de classificação é a seguinte.

parcial2

Ano passado, a bicicleta passo normal foi considerado o modal mais eficiente. Mas houve uma mudança nos critérios que acabou influenciando o resultado deste ano. “A gente discutiu e passou a considerar o gasto calórico como um fator positivo, por isso a bicicleta rápida acabou ficando à frente em 2013”, explica Daniel Valença, que foi o voluntário em 2012 e participou da organização do evento neste ano.

Para os organizadores do Dim, é importante destacar que o tempo é apenas um dos parâmetros e que os outros são igualmente importantes. Isso porque o DIM busca trazer não só a discussão do que é melhor para a pessoa, como para a sociedade e o meio ambiente. Além disso, o “mais rápido” traz a ideia de velocidade, algo que geralmente é debatido, pois é a velocidade que mata. Estimular mais e mais velocidade pode estimular a piora da segurança.

Quem vai vencer uma edição do Dim não é o mais rápido (pode até acontecer, como foi em 2013), mas sim o modal que preencha quesitos práticos, sociais e ambientais de forma mais equilibrada o possível. A bicicleta passo rápido acabou ficando na primeira colocação da classificação geral. E o cálculo proposto pela organização do Dim teve o skate surpreendentemente ocupando a segunda colocação e o corredor em terceiro.

Evidentemente, para cada pessoa existe uma fórmula de prioridades diferente no seu dia-a-dia, mas a ideia desse método que vem sendo desenvolvido pela organização do Desafio é justamente fazer com que os cidadãos percebam melhor as opções que tem quando vão fazer um trajeto dentro da cidade (seja ele um longo percurso como o realizado entre Boa Viagem e o Centro, cerca de 10 quilômetros, ou mesmo uma simples ida à padaria do bairro).

A ordem de chegada, no entanto, não é desprezada pela organização do Dim. E um resultado que surpreendeu a muitas pessoas que participam do Intermodal desde 2012 foi o fato dos voluntários que fizeram o percurso na intermodalidade bicicleta dobrável + metrô terem chegado em apenas 32 minutos, atrás apenas da bicicleta passo rápido. O fotógrafo Arnaldo Carvalho e o designer Keops Ferraz utilizam essa dobradinha normalmente e apenas repetiram algo que já fazem no dia-a-dia. “Se o percurso fosse maior Arnaldo teria conseguido fazer em um tempo menor que o meu, pois a bicicleta dele tem um aro (da roda) maior que a minha”, comentou Keops, que veio acompanhando o editor de fotografia do Jornal do Commercio durante todo o trajeto.

A organização do Dim decidiu que todos os voluntários deveriam ser acompanhados em 2013, já que em 2012 houve alguns relatos de insegurança principalmente do voluntário que fez andando o percurso entre o metrô e o Shopping Recife. Em relação à primeira edição, a grande mudança foi a chuva que causou impactos em diversos modais. “Eu peguei o ônibus logo na Praça do Diario. Ainda pensei em comprar um guarda-chuva, mas fiz o que faria normalmente na situação e peguei o primeiro que passou”, explica Lorena Maniçoba, que pagou R$3,15 pela passagem do anel B (linha Piedade).

Um dos acompanhantes da bicicleta rápida chegou a ter um pequeno acidente na Avenida Domingos Ferreira, os praticantes de patins disseram que a pista molhada atrapalhou a eles também, houve um acompanhante que acabou não podendo participar na modalidade ônibus, mas a maior perda causada pelas chuvas foi a desistência da voluntária que faria a simulação da situação real de um deficiente físico utilizando o sistema de ônibus do Recife, já que ela estava gripada e não poderia ficar exposta à água.

“Acho que seria importante encontrar deficiente físico que se voluntarie para tornar pública também essa situação em 2014”, disse Lorena Maniçoba, que participou pela primeira vez do Dim. Confira abaixo do vídeo da largada o resultado pela ordem de chegada.

1 – Bicicleta passo rápido (Filipe Freitas) – 26m10s

2 – Bicicleta dobrável + metrô (Arnaldo Carvalho) – 32m01s

3 – Moto (Thiago França) – 33m40s

4 – Skate (Aldenio Alves) – 39m38s

5 – Bicicleta passo normal (Klauber Teixeira) – 41m34

6 – Bicicleta + Barco no Marco Zero (Guilherme Jordão) – 44m32s

7 – Corredor (Tarcizio Gouveia) – 50m30s

8 – Táxi (Cris Lacerda) – 50m33s

9 – Metrô (Amélia Leite) – 53m47s

10 – Carro (Ângela Maria) – 54m46s

11 – Metrô + ônibus (Felipe Boa Viagem) – 55m53s

12 – Patins (Kleverton Cardoso) – 57m17s

13 – Ônibus (Lorena Maniçoba) – 1h14,11s

14 – Pessoa com deficiência visual utilizando o transporte público (Milton) – 1h14m57s

15 – Pedestre (Fernando Lima) – 1h29m

Crédito: A foto dos ciclistas e skatistas é de João Gonçalves. As outras são de Eduardo Amorim. Já o quadro com os resultados foi divulgado pela Ameciclo.

Recomendação do MPPE contra a proibição de máscaras em protestos

Saiu no Diário Oficial do Estado, do dia 12.09.13, recomendação conjunta das Promotorias de Direitos Humanos contra a proibição do uso de máscaras nas manifestações e contra o anonimato dos policiais. 

————————-

RECOMENDAÇÃO No 003/2013 8a PJD-HC

O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, com fundamento nas disposições contidas no art. 129, II, da Constituição Federal; na Lei no 8.625/93, art. 26, I e IV, e art. 27, I e II, parágrafo único, IV, combinados, ainda, com o disposto no art. 5o, I, II e IV, e art. 6o, I e IV, da Lei Complementar Estadual no 12/94, atualizada pela Lei Complementar no 21/98; nos autos do Procedimento Preparatório n.o 12006-1/8, apresente a seguinte RECOMENDAÇÃO, na forma que se segue:

CONSIDERANDO que o Ministério Público é defensor do Estado Democrático de Direito e da Constituição Federal Brasileira, a qual o defende a livre reunião dos indivíduos para manifestar-se em locais públicos, conforme disposto no artigo 5o, inciso XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente”; Continuar lendo

MPPE instaura inquérito sobre licenciamento do Terminal Integrado no Coque

No Diário Oficial do Estado, de hoje (10.09.13): Promotorias de Urbanismo e de Direitos Humanos do Ministério Público Estadual acatam denúncia feita por membros do DU sobre o licenciamento urbanístico e ambiental do Terminal Integrado Joana Bezerra, no Coque, e abrem inquérito civil para apurar se foram realizados os devidos estudos de impacto e se estes analisaram alternativas que permitiriam reduzir o número de remoções dos moradores do local.

Arquivo original do DOE

35a PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE DEFESA DA CIDADANIA DA CAPITAL – HABITAÇÃO E URBANISMO

7a PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE DEFESA DA CIDADANIA DA CAPITAL – DIREITOS HUMANOS

PORTARIA CONJUNTA No 02/2013

O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, por seus Representantes infra-assinados, com exercício na 35a Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital, com atuação em Habitação e Urbanismo e na 7a Promotoria de Defesa da Cidadania da Capital, com atuação na Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, respectivamente, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo Art. 129, II e III, da Constituição Federal, pelo Art. 8o, § 1o, da Lei no 7.347/85, Art. 26, I, c/c o Art. 27, Parágrafo único, I ambos da Lei no 8.625/93 e Art. 5o, Parágrafo único, inciso I, c/c o Art. 6o da Lei Complementar no 12/94 e alterações posteriores; Continuar lendo

Integrantes do DU participam da organização do II Desafio Intermodal do Recife

Image

A segunda edição do Desafio Intermodal do Recife será realizada na próxima quinta-feira, dia 12, a partir das 18h, com saída da Praça do Diario. Para quem não lembra, a ideia é fazer um percurso comum para os recifenses no horário de pico, mostrar o tempo gasto e discutir fatores como a poluição de cada modal, pegada ecológica e o custo para os cidadãos. Ano passado, o percurso foi realizado por pessoas à pé, ciclistas, motociclista, de metrô, carro, ônibus, utilizando as intermodalidades e até mesmo de patins.

No Brasil, o mesmo tipo de atividade também é realizado em cidades como o Rio de Janeiro e São Paulo, mas em cada local tem suas peculiaridades. No Recife, a opção diante da boa repercussão do DIM 2012 foi por fazer apenas uma modificação no local de saída (que foi na Avenida Conde da Boa Vista e agora será na Praça do Diario), manter todas as modalidades e incluir cinco que serão testadas pela primeira vez: táxi, skate, cinquetinha (ainda não foi confirmada), pessoa com deficiência visual e cadeirante (utilizando o transporte coletivo).

Na organização do evento, houve também a inclusão do movimento Direitos Urbanos ao lado do Observatório do Recife entre os organizadores do DIM 2013. Até agora, a expectativa é que 16 voluntários se desloquem por trajetos escolhidos por eles mesmos. É importante entender, os participantes do Desafio não são competidores, a organização do primeiro evento começou entre um grupo de amigos e neste ano eles tentaram conseguir apoios e outros voluntários para não repetir os mesmos do ano passado. São pessoas normais, se deslocando como fariam normalmente para ir para a escola, a casa de um amigo ou o trabalho.

Em 2012, o Desafio Intermodal do Recife foi notícia em todos os jornais recifenses, nas mais diversas rádios, gerou projetos especiais na internet e ganhou grandes reportagens de televisão, especialmente depois da prova já que antes da disputa pouca gente acreditava que uma bicicleta pudesse ser mais rápida do que motos e carros nos horários de pico da nossa capital. Mas o mais interessante é que o DIM não termina com a chegada do último a terminar o trajeto, já que após os competidores terminarem o percurso escolhido por eles mesmos e darem seus depoimentos sobre o deslocamento, tem início um estudo para analisar fatores como a emissão de poluentes, o conforto no trajeto e também o tempo gasto.

Desde o ano passado já haviam integrantes do grupo Direitos Urbanos na turma de amigos que organizou o DIM e agora apenas se formaliza a colaboração com o Observatório do Recife. O Desafio Intermodal passa a ter apoio em 2013 da Brisa Comunicação e Arte e da Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife (Ameciclo). Em seu segundo ano, o evento ganha mais um importante parceiro e inovou ao solicitar uma contrapartida social: “o Shopping Recife vai apoiar o DIM e está certa a contrapartida da construção de bicicletários nas escolas publicas do entorno, na comunidade onde o Shopping está inserido”, garante o publicitário Fernando Lima, que é um dos voluntários e fará o percurso entre a Praça do Diario e o centro comercial à pé.

Image